(19) 99259-8276
arnaldolemos@uol.com.br

Cinema e Ditadura Militar no Brasil

SLIDES SOBRE A DITADURA MILITAR NO BRASIL

  APRESENTAÇÃO

 

MEMORIAS DA DITADURA

LINK

 

 

 

EMENTA

Busca utilizar o filme como meio de reflexão crítica sobre o período da Ditadura Militar, a partir da sociologia, ciência que surgiu com a sociedade burguesa e que é capaz de apreender, com suas múltiplas determinações, a verdade de nosso tempo.

 

TEXTO DE DIVULGAÇÃO

Esta prática estuda o filme como uma totalidade social completa, antes de ser uma totalidade histórica, psicológica ou filosófica.Através da exibição e análise de  filmes, estudaremos alguns episódios do período militar.Os filmes serão instrumentos para uma reflexão sociológica crítica acerca destes episódios.

 

OBJETIVOS

Oferecer um momento de reflexão sobre a ditadura militar

Desmitificar/desfetichizar o que está fetichizado na estrutura narrativa dos filmes

 

OBJETIVO ESPECIFICO

Desconstruir a narrativa fílmica com seus múltiplos personagens e situações-chaves

 

CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO

A visão crítica deste período da nossa historia é fundamental para a formação da cidadania, pré-requisito do  profissional de nível superior que vai atuar na sociedade brasileira.  A exibição e a análise de filmes temáticos é uma oportunidade para o aluno desenvolver esta consciência crítica

 

 

PROGRAMAÇÃO

14/03    O GOLPE

O DIA QUE DUROU 21 ANOS - Camilo Tavares, 2013

O Dia que Durou 21 Anos é um documentário brasileiro, dirigido por Camilo Galli Tavares (Cidade do México,  sobre a participação do governo dos Estados Unidos na preparação, desde 1962,do golpe de estado de 1964, no Brasil.

O filme tem como ponto de partida a crise provocada pela renúncia do presidente Jânio Quadros, em agosto de 1961, e prossegue até o ano de 1969, com o sequestro do então embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Charles Burke Elbrick, por grupos armados. Em troca de sua libertação, 15 presos políticos são soltos e posteriormente banidos do país. Um deles, o jornalista Flávio Tavares, 27 meses depois de se radicar na Cidade do México, seria pai de Camilo, o cineasta cujo nome é uma homenagem ao padre católico e guerrilheiro colombiano Camilo Torres, morto em 1966

 

TEXTOS PARA LEITURA:

O DIA QUE DUROU 21 ANOS

21/03  A RESISTÊNCIA

O QUE É ISSO COMPANHEIRO, Bruno Barreto,1997

O enredo conta, com diversas licenças ficcionais, a história verídica do sequestro do embaixador dos Estados Unidos no BrasilCharles Burke Elbrick, em setembro de 1969, por integrantes dos grupos guerrilheiros de esquerda MR-8 e Ação Libertadora Nacional, que lutavam contra a ditadura militar instalada no país em 1964 e pretendiam trocar o embaixador por companheiros presos.

Alguns nomes dos personagens ligados à guerrilha foram trocados em relação a seus nomes verdadeiros no livro e na vida real.

TEXTOS PARA LEITURA:

O QUE É ISSO,COMPANHEIRO

OS SEQUESTROS QUE ABALARAM A DITADURA MILITAR

28/03  A TORTURA

BATISMO DE SANGUE, Helvetio Ratton,2007

Na cidade de São Paulo, no final da década de 1960, o convento dos frades dominicanos torna-se uma das mais fortes resistências à ditadura militar vigente no Brasil. Movidos por ideais cristãos, os frades "Tito", "Betto", "Oswaldo", "Fernando" e "Ivo", passam a apoiar logistica e politicamente o grupo guerrilheiro Ação Libertadora Nacional, comandado à época por Carlos Marighella. O grupo dissocia-se após uma conversa entre Frei Diogo e seus frades, de onde se conclui a necessidade de dispersão do grupo a partir de então.

Frei Ivo e Frei Fernando partem para o Rio de Janeiro, onde são surpreendidos  torturados por oficiais brasileiros que, acusando-os de traidores da igreja e traidores da pátria, perguntam por informações sobre o local de reunião do grupo para a posterior captura e execução de seu líder, Carlos Marighella. Após sofrerem tortura, os frades informam aos policiais o horário e o local de reunião do grupo, onde Marighella costumava receber recursos oriundos dos frades. Marighella foi então surpreendido e executado por policiais do DOPS paulista, sob o comando do delegado Sérgio Paranhos FleuryFrei Betto, refugia-se no interior do Rio Grande do Sul onde é encontrado, preso, e une-se ao restante do grupo no presídio de Tiradentes, em São Paulo, em 1971. Os frades são posteriormente julgados e sentenciados a quatro anos de reclusão em regime fechado.

A única exceção é Frei Tito, que é libertado em troca do embaixador suiço Ehrenfried von Holleben, juntamente com outros presos políticos, em 11 de junho de 1970, e se exila na França. Frei Tito não consegue superar as sequelas psicológicas sofridas após ser preso e torturado e acaba suicidando-se.

 

TEXTOS PARA LEITURA:

SOBRE A TORTURA NA DITADURA MILITAR

BATISMO DE SANGUE I

BATISMO DE SANGUE II

FREI BETO LANÇA LIVRO SOBRE SUAS CARTAS ESCRITAS NA PRISÃO

A TORTURA COMO POLÍTICA DE ESTADO

04/04  RELAÇÕES FAMILIARES

 

1 A MÃE EM BUSCA DO FILHO

ZUZU ANGEL, Sergio Rezende,2006

Zuleika Angel Jones, conhecida como Zuzu Angel, foi uma estilista brasileira, mãe do militante político Stuart Angel Jones e da jornalista Hildegard Angel.Zuzu teve seu filho torturado e assassinado pela ditadura militar.

Na virada dos anos 60 para os anos 70, Stuart Jones, filho de Zuzu e então estudante de economia, passou a integrar as organizações clandestinas que combatiam a ditadura militar.

A partir daí, a apolítica Zuzu entraria em uma guerra contra o regime pela recuperação do corpo de seu filho, envolvendo até os Estados Unidos, país de seu ex-marido e pai de Stuart. A busca de Zuzu pelas explicações, pelos culpados e pelo corpo do filho só terminou com sua morte, ocorrida na madrugada de 14 de abril de 1976, num acidente de carro na Estrada da Gávea.

Uma semana antes do acidente, Zuzu deixara na casa de Chico Buarque de Hollanda um documento que deveria ser publicado caso algo lhe acontecesse, em que escreveu: "Se eu aparecer morta, por acidente ou outro meio, terá sido obra dos assassinos do meu amado filho".

Depois de sua morte, Zuzu foi homenageada em livros, música e filme. O mesmo Chico Buarque compôs, sobre melodia de Miltinho, a música Angélica, em 1977, em homenagem à estilista.

TEXTOS PARA LEITURA

ZUZU ANGEL

 

2. O FILHO EM BUSCA DE SEUS PAIS

O ANO EM QUE MEUS PAIS SAÍRAM DE FÉRIAS, Caio Hamburger,2006

1970 Mauro (Michel Joelsas) é um garoto mineiro de 12 anos, que adora futebol e jogo de botão. Um dia, sua vida muda completamente, já que seus pais saem de férias de forma inesperada e sem motivo aparente para ele. Na verdade, os pais de Mauro foram obrigados a fugir da perseguição política, tendo que deixá-lo com o avô paterno (Paulo Autran). Porém o avô enfrenta problemas, o que faz com que Mauro tenha que ficar com Shlomo (Germano Haiut), um velho judeu solitário que é vizinho do avô de Mauro.

3 FAMÍLIA

UM AMOR NA DITADURA, Sergio Roizenblit, 2017

Isaura Lemos, nascida em Jundiaí interior de São Paulo, é de uma família de 14 irmãos, todos politizados. Era uma jovem estudante em 1969 quando foi requisitada para levar uma carta para a família de Euler Ivo, em Goiás. Euler era perseguido pelo regime militar e vivia na clandestinidade. O encontro do casal foi marcado pelo irmão de Isaura para a entrega dessa carta, na cidade de Campinas. Ali se conheceram e se apaixonaram. Viveram como clandestinos por vários lugares do Brasil e foi na floresta amazônica, nas mãos de uma parteira, que tiveram sua primeira filha, Tatiana. Hoje vivem em Goiânia, onde também moram suas três filhas.

 

11/04   DEPOIMENTOS - DOCUMENTÁRIOS

ATO DE FÉ – Alexandre Rampazzo, 2004

A importância e o engajamento da igreja católica no combate à ditadura, entre 1968 e 1969, é tema do próximo documentário da STV: Ato de Fé, produzido pela Shoptime em parceria com a emissora, entrevista os principais nomes religiosos que serviram de apoio a grupos de esquerda e, sem uso da violência, lutaram pela liberdade do paí

COMPANHEIRAS-  alunos de jornalismo da PUC- Campinas, PUC- Campinas,2007

O documentário mostra um lado da Ditadura Militar do Brasil (1964-1985) pouco comentado, o de mulheres que lutaram ou apenas estiveram ao lado de seus companheiros militantes – mortos e desaparecidos durante este período do Brasi

UNIVERSIDADE EM CRISE Renato Tapajós.1965

O pesado ambiente político do país é retratado no curta-metragem que aborda a greve dos alunos do Grêmio da Faculdade de Filosofia da USP em protesto contra o aumento do preço dos alojamentos e do restaurante universitário e a violenta resposta da polícia. "Universidade em crise" é uma amostra do contexto que levaria 1968 a ser o ano que não terminou. Mesmo tendo os canais de expressão e mobilização duramente reprimidos com a proibição dos grêmios, a extinção da UNE e a perseguição generalizadas aos estudantes, o movimento estudantil é que se tornaria o principal veículo e válvula de protestos nos primeiros anos da ditadura.

 

25/04  O PAPEL DO EMPRESÁRIOS

CIDADÃO BOILESEN, Chaim Litewski,2009

Através de diversos depoimentos, o documentário revela as ligações de Henning Albert Boilesen (1916-1971), presidente do famoso grupo Ultra, da Ultragaz, com a ditadura militar. Seu apoio, assim como de muitos outros empresários, financeiro ao movimento de repressão violenta e também a sua participação na criação da temível Oban – Operação Bandeirante, espécie de pedra fundamental do Doi-Codi.

TEXTO PARA LEITURA

CIDADÃO BOILESEN

02/05  A ARBITRARIEDADE

PRA FRENTE BRASIL, Roberto Farias,1982

Em 1970, na época dos anos de chumbo e do dito "milagre econômico", o Brasil vibra com a Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo sediada no México. Enquanto isso, prisioneiros políticos são torturados por agentes da repressão oficial e inocentes também acabam sendo vítimas dessa violência.

Jofre Godoi da Fonseca é um pacato trabalhador de classe média, casado com Marta, com quem tem dois filhos. Miguel, seu irmão, goza dos mesmos privilégios que ele, apesar de amar Mariana, uma guerrilheira de esquerda. Quando Jofre divide um táxi com um militante de esquerda, é tido como "subversivo" pelos órgãos de repressão. É preso e submetido a inúmeras sessões de tortura.

TEXTOS PARA LEITURA:

PRA FRENTE BRASIL

09/05   A DITADURA E A MÍDIA

VLADO – 30 ANOS DEPOIS, 2005

No dia 25 de outubro de 1975, o jornalista Vladimir Herzog acorda de manhã e se despede da mulher, Clarice: ele deve se apresentar ao DOI-CODI, órgão da repressão política do regime militar, para prestar depoimento. Clarice questiona se ele deve se apresentar: vários amigos estão presos e sabe-se que são torturados. Mas Vlado se recusa a fugir; pondera que é um homem transparente, alheio à clandestinidade. No fim da tarde do mesmo dia, sua família e amigos recebem a terrível notícia: o jornalista está morto e, segundo fonte oficial, suicidou-se na prisão. O filme revela a trajetória de Herzog, desde a infância na Iugoslávia até sua posse como diretor de Jornalismo da TV Cultura de São Paulo. A reação de Clarice, dos amigos e da sociedade, recusando a farsa montada para justificar a morte do jornalista, tornou o fato um marco na luta pela redemocratização do país."

TEXTOS PARA LEITURA:

A MORTE DE VLADIMIR HERZOG

VLADIMIR HERZOG I

VLADIMIR HERZOG II

VLADO

16/05  A GUERRILHA

LAMARCA, Sergio Rezende, 1994

A história começa em dezembro de 1970, quando o ex-capitão do exército brasileiro e grande atirador Carlos Lamarca e seu grupo político rebelde negociam com a Ditadura Militar a soltura de presos políticos em troca da vida do sequestrado embaixador da Suíça, mantido por eles em cativeiro. Trinta presos são soltos e a repressão aumenta a perseguição aos guerrilheiros, comandada por um general do Exército e o delegado civil Flores (referência ao delegado da vida realFleury), que se apresenta como o matador de Marighella e outros "subversivos" e não hesita em torturar seus prisioneiros para obter informações.

Os dirigentes do grupo de Lamarca querem que ele saia do Brasil, mas ele não aceita. Lamarca vai então para a Bahia, acompanhado da amante e também militante Clara, para se encontrar com os aliados da guerrilha Zequinha e seus irmãos. Eles o escondem em um sítio no interior do estado. Enquanto espera para se encontrar com os demais guerrilheiros para organizarem um levante rural, Lamarca lembra de momentos do seu passado, da experiência marcante de quando serviu como soldado da ONU no Canal de Suez que o fez se revoltar contra os capitalistas, da sua mulher e filhos que enviara para Cuba e do campo de treinamento de guerrilheiros que criara no Vale do Paraíba em São Paulo.

TEXTOS PARA LEITURA

GUERRILHA NO BRASIL

GUERRILHA NO BRASIL I

LAMARCA

LAMARCA I

 

 

 

 

23/05  - A LEI DE SEGURANÇA NACIONAL

EM NOME DA SEGURANÇA NACIONAL, Renato Tapajós,1984

O filme registra as sessões do Tribunal de Tiradentes, evento promovido em 1983 para “julgar” a Lei de Segurança Nacional, de 1967, que tornava todos os cidadãos responsáveis pela segurança do país. Sem valor jurídico, o Tribunal era uma espécie de catarse social dos perseguidos pela ditadura. O material filmado no Tribunal Tiradentes passou a constituir a base narrativa para o documentário, que mostra os efeitos da aplicação dessa doutrina em diversos segmentos da sociedade

 

30/05 - O JULGAMENTO

EM BUSCA DA VERDADE – Documentário da Comissão da Verdade Parte 1 e Parte 2,2015

Documentário vencedor do Prêmio Vladimir Herzog apresenta as principais investigações da Comissão Nacional e das Comissões Estaduais da Verdade sobre as graves violações de direitos humanos ocorridas na ditadura de 1964.

TEXTO PARA LEITURA

http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/

 

A avaliação será feita após a exibição de cada filme com debates. Serão oferecidos também aos alunos textos sobre os filmes apresentados.

 

CRITERIOS

Processual – realizada ao longo da Pratica. Abrange a verificação da freqüência, da participação e do aproveitamento, e elementos de promoção do aluno. (Art. 84 do Regimento da Universidade

 

ESTRATEGIAS

Processual – realizada ao longo da Pratica. Abrange a verificação da freqüência, da participação e do aproveitamento, e elementos de promoção do aluno. (Art. 84 do Regimento da Universidade

Debates após a exibição de cada filme

 

CARGA HORARIA TOTAL

34 HS

 

PRE-REQUISITOS

Nenhum

 

BIBLIOGRAFIA BASICA

 

ALVES, Giovanni, O cinema como experiencia critica

www.telacritica.org

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

 

LUZ, Marcia, Lições que a vida ensina e a arte encena. Campinas, Ed. Atomo,2009, 3ªedição

 

MACHADO, João Luis,  Na Sala de Aula com a Sétima Arte – Aprendendo com o Cinema, SP. Ed. Intersubjetiva, 2003

 

 

 

(19) 99259-8276

arnaldolemos@uol.com.br

Projeto Web