(19) 99259-8276
arnaldolemos@uol.com.br

O Direito no Cinema II

O DIREITO NO CINEMA II

PRATICA DE FORMAÇÃO

O DIREITO NO CINEMA II

(CINE-FORUM)

 

 

 

EMENTA

 

Busca analisar filmes que tenham temasespecíficos do Direito e utilizar o filme como meio de reflexão crítica sobre eles, a partir da sociologia, ciência que surgiu com a sociedade burguesa e que é capaz de apreender, com suas múltiplas determinações, a verdade de nosso tempo.

 

TEXTO DE DIVULGAÇÃO

 

Devido a grande aceitação da Pratica " O Direito no Cinema" quando foram exibidos e analisados filmes referentes às áreas:  Introdução ao Estudo do Direito, Direito Constitucional,Direito Penal,Direito Civil,   Direito do Trabalho, Direito Internacional e Direitos Humanos,  esta pratica exibirá e analisará temas específicos do Direito:  Direito e Poder Econômico, Direito e Meio Ambiente, Direito e Saúde, Direito e Gênero, Direito e Moral, Direito e Filosofia, Direito e Psicologia Os filmes serão instrumentos para uma reflexão jurídica. Após a exibição de cada filme, será convidado um professor especialista da área para analise e debates.

 

OBJETIVOS

 

Oferecer um momento de reflexão sobre Direito e Justiça.

Sensibilizar os alunos para uma atitude diante da realidade.

Ajudar os alunos a perceber qual é o papel social da sua profissão.

 

OBJETIVO ESPECIFICO

 

Utilizar o cinema como ferramenta didática.

Desconstruir a narrativa fílmica com seus múltiplos personagens e situações-chaves

 

 

CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇAO

 

A visão crítica dos temas jurídicosé fundamental para a formação da cidadania, pré-requisito do  profissional de nível superior que vai atuar na sociedade brasileira como profissional..  A exibição e a análise de filmes temáticos é uma oportunidade para o aluno desenvolver esta consciência crítica.

 

 

CONTEÚDO PROGRAMATICO

 

 

 

DIREITO E CIÊNCIA

 

FILME  O VENTO SERÁ TUA HERANÇA, Stanley Kramer, EUA, 1960

 

Baseado em um caso real em 1925, um professor é preso por ensinar as teorias de evolução de Darwin. No processo judicial, dois grandes advogados argumentam o caso a favor e contra do homem. Um político fundamentalista o acusa do crime, enquanto um advogado famoso o defende.

 

 

Análise  e debates – Prof. Marcos Lisboa

 

Textos para leitura

 

 

 

 

 

DIREITO E PODER ECONÔMICO –

  1. Filme - A GRANDE APOSTA The Big Short)  2015 - Adam McKay, 2H11

 

Michael Burry (Christian Bale) é o dono de uma empresa de médio porte, que decide investir muito dinheiro do fundo que coordena ao apostar que o sistema imobiliário nos Estados Unidos irá quebrar em breve. Tal decisão gera complicações junto aos investidores, já que nunca antes alguém havia apostado contra o sistema e levado vantagem. Ao saber destes investimentos, o corretor Jared Vennett (Ryan Gosling) percebe a oportunidade e passa a oferecê-la a seus clientes. Um deles é Mark Baum (Steve Carell), o dono de uma corretora que enfrenta problemas pessoais desde que seu irmão se suicidou. Paralelamente, dois iniciantes na Bolsa de Valores percebem que podem ganhar muito dinheiro ao apostar na crise imobiliária e, para tanto, pedem ajuda a um guru de Wall Street, Ben Rickert (Brad Pitt), que vive recluso.

 

 

  1. Como avaliar o comportamento dos investidores do fundo de Michael Burry, que o processaram em virtude da aplicação de uma cláusula contratual, mas ao final, justo em virtude desta medida, receberam lucros exorbitantes?
  2. Considere o caso de diversas instituições financeiras dos EUA que, ante a crise dossubprimes, compraram derivativos (títulos atrelados a créditos podres do mercado hipotecário) em grande volume e quebraram em momento posterior, assim como muitos de seus clientes. Avalie a perversidade de um sistema capaz até mesmo de enganar as próprias instituições financeiras, que, a seu turno, também estendiam os riscos a seus clientes, num típico efeito multiplicador.
  3. Considerando-se o dever de investigar das autoridades fiscais (e criminais), como avaliar a conduta do Governo dos EUA ante as tentativas de Michael Burry denunciar a fraude do sistema hipotecário? Além de não ter recebido resposta por suas chamadas, ainda sofreu 4 auditorias do fisco e uma investigação do FBI após ter produzido lucros de mais de US$ 2,6 bilhões.
  4. Mark Baum demonstra profunda preocupação com a realidade subjacente à quebra da economia dos EUA e a conseqüente crise mundial. Desafia publicamente autoridades bancárias ao descobrir a maquiagem de dados feita por agências de avaliação de riscos e pelos bancos, sob o conhecimento do governo. Há real interesse do Governo em regular o sistema bancário?

 

Textos para leitura

 

 

A crise do capitalismo vai ao cinema

 

A Grande Aposta

 

David Harvey A Grande Aposta

 

 

 

 

 

  1. Filme DEDO NA FERIDA, Silvio Tendler, Brasil, 2017

Abordando o sistema financeiro e suas contradições, o documentário faz um questionamento a respeito de um dos principais discursos das autoridades financeiras: de que não podemos gastar mais do que arrecadamos. Através de diversas entrevistas, é composto um panorama de como o capital pode influenciar a política, os governos e a vida cotidiana de qualquer pessoa.

 

Textos para leitura

 

Dedo na ferida

 

 

 

 

DIREITO E HISTORIA –

 

Filme - HANNA ARENDT,Alemanha, França, Magarethe von Trotta, 2012, 1h53 min

 

Hannah Arendt (Barbara Sukowa) e seu marido Heinrich (Axel Milberg) são judeus alemães que chegaram aos Estados Unidos como refugiados de um campo de concentração nazista na França. Para ela a América dos anos 50 é um sonho, e se torna ainda mais interessante quando surge a oportunidade dela cobrir o julgamento do nazista Adolf Eichmann para a The New Yorker. Ela viaja até Israel, e na volta escreve todas as suas impressões e o que aconteceu, e a revista separa tudo em 5 artigos. Só que aí começa o verdadeiro drama de Hannah: Ela mostra nos artigos que nem todos que praticaram os crimes de guerra eram monstros, e relata também o envolvimento de alguns judeus que ajudaram na matança dos seus iguais. A sociedade se volta contra ela e a New Yorker, e as críticas são tão fortes que até mesmo seus amigos mais próximos se assustam. Hannah em nenhum momento pensa em voltar atrás, mantendo sempre a mesma posição, mesmo com todo mundo contra ela.

 

 

ele pode ganhar facilmente e relatar grandes somas de dinheiro. Quando você escolhe para representar Analise e Debates - Prof. Lindener Pareto

 

fam1) Acima de tudo, o filme, assim como o livro de Hannah Arendt, tenta retratar a natureza do mal. No julgamento, Hannah percebe a banalidade do mal e uma ação técnica por parte de Adolf Eichmann. Como você entende a falta de autonomia na prática das ações de Eichmann e sua culpa no resultado de suas ações? Existiria uma ação técnica desvinculada de valores morais?

 

2) Em um momento do filme, Eichmann aparece em uma jaula. Essa atitude seria aceitável, mesmo sendo ele culpado daquelas ações?

 

3) O julgamento é recheado de apelo à emoção. A fim de condenar as atrocidades praticadas por Eichmann, isso seria válido?

 

4) Quem, no final das contas, foi julgado? Adolf Eichmann ou a História?

 

5) Uma das característica marcantes do nazismo era sua capacidade de desumanizar. Eichmann merecia o mesmo tratamento que ele impôs àqueles que conduzia à morte?

 

6) Hannah acaba travando uma luta pessoal ao tentar publicar suas anotações. Em sua fala final na universidade, fica clara que sua análise está para além do julgamento em si. Nesse sentido, a verdade valeria à pena?

 

 

 Textos para leitura

 

Atualidade brutal de Hanna Arendt

 

Hanna Arendt I

 

Hanna Arendt II

 

Hanna Arendt III

 

 

 

 

 

 DIREITO E MEIO AMBIENTE –

 

  1. Filme -A QUALQUER PREÇO, EUA,StefenZaillian, 1998, 1h55

 

Jan Schlittman (John Travolta) é um advogado que, junto com seus sócios, não procura vencer causas mas sim entrar em lucrativos acordos financeiros. Mas tudo muda quando ele concorda em representar oito famílias cujas crianças morreram em virtude de duas empresas terem despejado produtos tóxicos na água que abastece Woburn, Massachusetts. O caso se prolonga, fazendo a firma ficar em sérias dificuldades financeiras, tanto que os sócios de Schlittman o abandonam enquanto ele marcha para o suicídio financeiro e profissionalné

 

 

 

  1. umQuem são os legitimados para o ajuizamento de Ação Pública no Brasil? E nos Estados Unidos?
    • É possível, conforme -o interesse coletivo envolvido, deixar à critério das cortes (Juízos) quando é possível um dado legitimado ou outro legitimado? Como é no Brasil e como é nos Estados Unidos? O filme, em algum momento, aborda sobre isso?
    • O que é uma citizensuit? Um cidadão pode ajuizar uma ação civil pública, seja no processo coletivo nacional, seja norte americano, para a tutela do meio ambiente?

 

  1. Houve, no filme, uma primeira audiência, antes de prosseguir a ação. É a denominada fase “justiciability”. O que significa isso?
  2. O que é punitivedamages? É acolhido no sistema brasileiro?
  3. É possível fixar uma indenização a ser paga por um fabricante, na qual parte do valor seja destinado, não às vítimas mas para alguma entidade? E no Brasil? Isso é possível?
  4. Como as empresas avaliam seus riscos para fins de cumprimento dos contratos?

 

  1. FILME OS 33, Patricia Riggen, Chile, EUA, Colombia 2015

O que sabemos da história dos 33 mineiros que ficaram presos numa mina do Chile foi o que vimos nos noticiários da época, mas não sabemos como foi para os mineiros viver lá em baixo durante todo aquele tempo, saber em que eles pensavam e o que faziam. Com esse filme tudo isso é contado de maneira fiel à história real, ao mesmo tempo em que não deixa de ser emocionante.

 

Analise e Debates –Prof. Claudio Franzolin

 

 

Textos para leitura

 

 

A action civil

 

A qualquer preço

 

Comentarios sobre A qualquer preço

 

Direito e Meio Ambiente I

 

Direito e Meio Ambiente II

 

 

DIREITO  E MORAL

 

 Filme - RELATOS SELVAGENS, Argentina, Damian Szifron, 2014, 2h2 min

 

Diante de uma realidade crua e imprevisível, os personagens deste filme caminham sobre a linha tênue que separa a civilização da barbárie. Uma.traição amorosa, o retorno do passado, uma tragédia ou mesmo a violência de um pequeno detalhe cotidiano são capazes de empurrar estes personagens para um lugar fora de controle.

 

 

Analise e Debates - Prof. Pe. Paulo Sergio

 

Textos para leitura

 

 

Relatos Selvagens

 

 

 

DIREITO E GÊNERO –

 

  1. Filme - A GAROTA DINAMARQUESA, EUA, Tom Hooper, 2016

É uma história corajosa, de um homem casado, o pintor Einar Wegener (Redmayne), que tem despertado nele uma mulher adormecida pela sua esposa a também pintora Gerda Wegener (Alicia Vikander). O que começou apenas como uma brincadeira, ao posar para sua esposa semi vestido com roupas femininas, mostrou ser sua essência. Uma mulher presa num corpo masculino. A liberdade vem quando ele se submete a cirurgia de mudança de sexo, uma das primeiras da história.

 

 

Textos para leitura

 

A Garota Dinamarquesa I

 

A Garota Dinamarquesa II

 

 

 

  1. PHILOMENA, Stefhem TRears, Reino Unido, França, EUA, 2o14

Irlanda, 1952. Philomena Lee (Judi Dench) é uma jovem que tem um filho recém-nascido quando é mandada para um convento. Sem poder levar a criança, ela o dá para adoção. A criança é adotada por um casal americano e some no mundo. Após sair do convento, Philomena começa uma busca pelo seu filho, junto com a ajuda de Martin Sixsmith (Steve Coogan), um jornalista de temperamento forte. Ao viajar para os Estados Unidos, eles descobrem informações incríveis sobre a vida do filho de Philomena e criam um intenso laço de afetividade entre os dois.

 

Textos para leitura

 

Philomena

 

Analise e Debates  Profa. Janaina Gomes

 

O que a violência de gênero, também conhecida como violência doméstica, tem realmente de diferente de qualquer outra espécie de violência contra o Ser Humano (seja lesão corporal ou homicídio, culposo, doloso, tentado ou consumado)?

  1. Quais os condicionantes desta espécie de violência?
  2. O desenho legislativo da proteção penal parte de contextos históricos ou biológicos?
  3. Quem é(são) a(s) vítima(s) no caso da violência de gênero?
  4. Refletindo sobre as circunstâncias da violência de gênero no Brasil (e no mundo) quais os desafios que a estrutura legal tem para efetivar seus objetivos à luz das regras jurídicas existentes?
  5. O Direito é capaz de colocar fim a violência de gênero, mediante uma regulamentação exaustiva?

 

 

Textos para leitura

 

Philomena

 

 

 

DIREITO E RACISMO

 

Filme – EU NÃO SOU SEU NEGRO, Raoul Peck, EUA,2016

 

O escritor James Baldwin escreveu uma carta para o seu agente sobre o seu mais recente projeto: terminar o livro Remember This House, que relata a vida e morte de alguns dos amigos do escritor, como Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King Junior. Com sua morte, em 1987, o manuscrito inacabado foi confiado ao diretor Raoul Peck.

 

 

Textos para leitura

 

Racismo, trabalho e estrutura de poder

 

Eu não sou seu negro

 

 

 

DIREITO E SAÚDE

 

Filme SICKO- SOS SAUDE, Michael Moore, EUA.

 

Um painel do deficiente sistema de saúde americano. A partir do perfil de cidadãos comuns, somos levados a entender como milhões de vidas são destruídas por um sistema que, no fim das contas, só beneficia a poucos endinheirados. Ali vale a lógica de que, se você quer permanecer saudável nos Estados Unidos, é bom não ficar doente. E, depois de examinar como o país chegou a esse estado, o filme visita uma série de países com sistema de saúde público e eficiente, como Cuba e Canadá.

 

Analise e Debates - Prof. Josué Mastrodi

  1. O direito costuma identificar seguro como algo semelhante ao jogo ou à aposta. A banca do cassino tem o direito de impedir o jogador de continuar a jogar quando está ganhando todas? A seguradora do plano de saúde tem o direito de cancelar o contrato quando ele começa a dar sinais de prejuízo?
  2. Saúde é mercadoria?
  3. Lá pelo minuto 40, o documentário afirma que congressistas foram "comprados" pela indústria da saúde para evitar a instalação de sistema de saúde governamental durante o governo Clinton. Que congressistas foram "comprados" durante o governo Bush para aprovar "modernização" do sistema de saúde privado. Repararam que no congresso brasileiro há vários deputados/senadores que defendem a indústria dos planos de saúde por aqui?

 

Textos para leitura

 

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/SAUDE/497145-GESTORES-CRITICAM-PEC-QUE-OBRIGA-CONCESSAO-DE-PLANO-DE-SAUDE-A-TRABALHADOR.html

http://oglobo.globo.com/economia/defesa-do-consumidor/dilma-veta-anistia-de-multa-operadoras-de-planos-de-saude-12477477

http://www.ebc.com.br/noticias/2015/07/governo-quer-derrubar-pec-que-obriga-patrao-pagar-plano-de-saude-empregado

http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2014/04/15/senado-aprova-perdao-de-r-2-bilhoes-a-planos-de-saude.htm

http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2015/05/1634009-leandro-farias-eduardo-cunha-contra-a-saude.shtml]

O interesse das empresas, qualquer que seja seu objeto, é o lucro, não a entrega do produto. Isso é capitalismo. Se eu oferecer dinheiro para alguém aceitar minha posição ideológica sobre qualquer coisa, isso é suborno. Se eu oferecer dinheiro para um congressista, isso é "lobby"?

  1. Sobre os temas das questões 2 e 3: existe ética nos negócios?
  2. Canadá possui um sistema de saúde público, que não é lá essas coisas (veja, por exemplo, o filme As Invasões Bárbaras). Brasil possui o SUS, que também não é a 7a maravilha do mundo. Mas funciona de modo eficiente para a grande maioria dos brasileiros. Bom, a mídia faz bem seu papel em favor da indústria de saúde dos EUA. No minuto 45', o documentário apresenta uma série de reportagens em que "cidadãos de bem" dos EUA dizem que no Canadá o sistema de saúde é público, mas não funciona. Na verdade, a indústria de saúde odeia concorrência. Se houvesse sistema de saúde por lá --como o atual governo Obama quer instalar, e está sendo chamado de comunista por isso--, a indústria de saúde perderia milhões de clientes (e de dólares). A quem interessa sucatear o SUS e buscar sua substituição por um sistema privado de saúde?

6, Ainda que o sistema de saúde privado possua agências reguladoras, isto é, autarquias estatais de fiscalização do mercado, exatamente como ocorre nos EUA, essa regulação serve exatamente para quê? Serve para garantir a satisfação dos consumidores?

  1. Notaram que, nos EUA, há pouquíssimos casos de vitória judicial de cidadãos/consumidores contra seus planos de saúde? No Brasil é diferente?
  2. O filme foi rodado em 2007, antes, portanto, do fim do embargo estadounidenseà Cuba. Sabem quantos norte-americanos passaram a fazer turismo em Cuba apenas para se tratarem com médicos cubanos desde a abertura? [http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/the-new-york-times/2015/02/23/saude-em-cuba-pode-atrair-turistas-norte-americanos.htm

 

DIREITO E EDUCAÇÃO

FILME A LÍNGUA DAS MARIPOSAS,  José Luiz Cuerda, Espanha, 1999

Espanha, 1935. Aos sete anos, o garoto Moncho (Manuel Lozano) passa por um período de pequenas e importantes descobertas na escola e na vida. Cheio de sabedoria, seu velho professor Don Gregorio (o veterano Fernando Fernán-Gomes, ator em quase 200 filmes e escritor e diretor de dezenas de outros) é um verdadeiro ídolo para o menino. Porém, a Guerra Civil chega espalhando terror, ódio e desconfiança entre os próprios espanhóis. O melhor amigo de hoje pode ser o inimigo mortal de amanhã e tudo o que parecia firme e sólido pode desmoronar a qualquer momento.

 

Textos para leitura

A Língua das Mariposas I

A Língua das Mariposas II

 

DIREITO E PSICOLOGIA –

 

Filme –Tempo de Paz, Brasil, 2009 –Daniel Filho  1h20

 

18 de abril de 1945. Durante anos centenas de pessoas foram torturadas pelo regime de Getúlio Vargas mas, com a pressão externa decorrente do fim da 2ª Guerra Mundial, vários presos políticos ganharam a liberdade. Segismundo (Tony Ramos) é um ex-oficial da polícia política de Vargas que agora teme que suas vítimas resolvam se vingar. Ele trabalha como chefe da seção de imigração na Alfândega do Rio de Janeiro, tendo por função evitar a entrada de nazistas. Em uma averiguação habitual, ele interroga Clausewitz (Dan Stulbach), um ex-ator polonês que, por recitar Carlos Drummond de Andrade, lhe foi enviado por um subalterno. Para convencer que não é nazista, Clausewitz precisa usar todo o seu talento como ator.

 

Analise e Debates - Profa. Maria de Fatima

 

 

DIREITO E QUESTÃO INDÍGENA

 

Filme – INDIO CIDADÃO?

Debate – Prof.Pedro Pulzatto

A luta das nações índigenas para conquistar - e manter - os direitos garantidos pela lei. Contando com depoimentos de ativistas e importantes lideranças, o documentário aborda momentos marcantes desta jornada, que segue até hoje, como a ocupação da Câmara dos Deputados em 2013 e a Mobilização Nacional em Defesa dos Direitos Constitucionais, ameaçados pelo próprio Congresso Nacional. Uma batalha para impedir que continue o extermínio de lideranças e grupos indígenas, uma batalha para garantir o direito do ser humano.

 

Textos para leitura

 

Direito Humanos – Povos Indígenas

 

Exclusão étnica

 

 

 

AVALIAÇÃO

 

A avaliação será feita após a exibição de cada filme com debates. Serão disponibilizadostambém aos alunos textos sobre os filmes apresentados.

 

CRITERIOS DE AVALIAÇÃO:

 

A avaliação será feita após a exibição de cada filme com debates. Serão disponibilizados também aos alunos textos sobre os filmes apresentados.

 

 

ESTRATEGIAS

 

A analise de cada filme será feita com a participação de um professor convidado da Faculdade de Direito

 

CARGA HORARIA TOTAL

 

34 horas-aula

 

 

PRE-REQUISITOS

 

Não há

 

 

 

BIBLIOGRAFIA BASICA

 

LACERDA, Gabriel. O Direito no Cinema, Rio, Ed.FGV,2007

ALVES, Giovanni, O cinema como experiênciacritica

www.telacritica.org

 

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

 

LUZ, Marcia, Lições que a vida ensina e a arte encena. Campinas, Ed. Atomo,2009, 3ªedição

 

MACHADO, João Luis,  Na Sala de Aula com a Sétima Arte – Aprendendo com o Cinema, SP. Ed. Intersubjetiva, 2003

 

 

 

 

 

 

 

 

PRATICA DE FORMAÇÃO

O DIREITO NO CINEMA II

(CINE-FORUM)

 

 

 

EMENTA

 

Busca analisar filmes que tenham temasespecíficos do Direito e utilizar o filme como meio de reflexão crítica sobre eles, a partir da sociologia, ciência que surgiu com a sociedade burguesa e que é capaz de apreender, com suas múltiplas determinações, a verdade de nosso tempo.

 

TEXTO DE DIVULGAÇÃO

 

Devido a grande aceitação da Pratica " O Direito no Cinema" quando foram exibidos e analisados filmes referentes às áreas:  Introdução ao Estudo do Direito, Direito Constitucional,Direito Penal,Direito Civil,   Direito do Trabalho, Direito Internacional e Direitos Humanos,  esta pratica exibirá e analisará temas específicos do Direito:  Direito e Poder Econômico, Direito e Meio Ambiente, Direito e Saúde, Direito e Gênero, Direito e Moral, Direito e Filosofia, Direito e Psicologia Os filmes serão instrumentos para uma reflexão jurídica. Após a exibição de cada filme, será convidado um professor especialista da área para analise e debates.

 

OBJETIVOS

 

Oferecer um momento de reflexão sobre Direito e Justiça.

Sensibilizar os alunos para uma atitude diante da realidade.

Ajudar os alunos a perceber qual é o papel social da sua profissão.

 

OBJETIVO ESPECIFICO

 

Utilizar o cinema como ferramenta didática.

Desconstruir a narrativa fílmica com seus múltiplos personagens e situações-chaves

 

 

CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇAO

 

A visão crítica dos temas jurídicosé fundamental para a formação da cidadania, pré-requisito do  profissional de nível superior que vai atuar na sociedade brasileira como profissional..  A exibição e a análise de filmes temáticos é uma oportunidade para o aluno desenvolver esta consciência crítica.

 

 

CONTEÚDO PROGRAMATICO

 

 

 

DIREITO E CIÊNCIA

 

FILME  O VENTO SERÁ TUA HERANÇA, Stanley Kramer, EUA, 1960

 

Baseado em um caso real em 1925, um professor é preso por ensinar as teorias de evolução de Darwin. No processo judicial, dois grandes advogados argumentam o caso a favor e contra do homem. Um político fundamentalista o acusa do crime, enquanto um advogado famoso o defende.

 

 

Análise  e debates – Prof. Marcos Lisboa

 

Textos para leitura

 

 

 

 

 

DIREITO E PODER ECONÔMICO –

  1. Filme - A GRANDE APOSTA The Big Short)  2015 - Adam McKay, 2H11

 

Michael Burry (Christian Bale) é o dono de uma empresa de médio porte, que decide investir muito dinheiro do fundo que coordena ao apostar que o sistema imobiliário nos Estados Unidos irá quebrar em breve. Tal decisão gera complicações junto aos investidores, já que nunca antes alguém havia apostado contra o sistema e levado vantagem. Ao saber destes investimentos, o corretor Jared Vennett (Ryan Gosling) percebe a oportunidade e passa a oferecê-la a seus clientes. Um deles é Mark Baum (Steve Carell), o dono de uma corretora que enfrenta problemas pessoais desde que seu irmão se suicidou. Paralelamente, dois iniciantes na Bolsa de Valores percebem que podem ganhar muito dinheiro ao apostar na crise imobiliária e, para tanto, pedem ajuda a um guru de Wall Street, Ben Rickert (Brad Pitt), que vive recluso.

 

 

  1. Como avaliar o comportamento dos investidores do fundo de Michael Burry, que o processaram em virtude da aplicação de uma cláusula contratual, mas ao final, justo em virtude desta medida, receberam lucros exorbitantes?
  2. Considere o caso de diversas instituições financeiras dos EUA que, ante a crise dossubprimes, compraram derivativos (títulos atrelados a créditos podres do mercado hipotecário) em grande volume e quebraram em momento posterior, assim como muitos de seus clientes. Avalie a perversidade de um sistema capaz até mesmo de enganar as próprias instituições financeiras, que, a seu turno, também estendiam os riscos a seus clientes, num típico efeito multiplicador.
  3. Considerando-se o dever de investigar das autoridades fiscais (e criminais), como avaliar a conduta do Governo dos EUA ante as tentativas de Michael Burry denunciar a fraude do sistema hipotecário? Além de não ter recebido resposta por suas chamadas, ainda sofreu 4 auditorias do fisco e uma investigação do FBI após ter produzido lucros de mais de US$ 2,6 bilhões.
  4. Mark Baum demonstra profunda preocupação com a realidade subjacente à quebra da economia dos EUA e a conseqüente crise mundial. Desafia publicamente autoridades bancárias ao descobrir a maquiagem de dados feita por agências de avaliação de riscos e pelos bancos, sob o conhecimento do governo. Há real interesse do Governo em regular o sistema bancário?

 

Textos para leitura

 

 

A crise do capitalismo vai ao cinema

 

A Grande Aposta

 

David Harvey A Grande Aposta

 

 

 

 

 

  1. Filme DEDO NA FERIDA, Silvio Tendler, Brasil, 2017

Abordando o sistema financeiro e suas contradições, o documentário faz um questionamento a respeito de um dos principais discursos das autoridades financeiras: de que não podemos gastar mais do que arrecadamos. Através de diversas entrevistas, é composto um panorama de como o capital pode influenciar a política, os governos e a vida cotidiana de qualquer pessoa.

 

Textos para leitura

 

Dedo na ferida

 

 

 

 

DIREITO E HISTORIA –

 

Filme - HANNA ARENDT,Alemanha, França, Magarethe von Trotta, 2012, 1h53 min

 

Hannah Arendt (Barbara Sukowa) e seu marido Heinrich (Axel Milberg) são judeus alemães que chegaram aos Estados Unidos como refugiados de um campo de concentração nazista na França. Para ela a América dos anos 50 é um sonho, e se torna ainda mais interessante quando surge a oportunidade dela cobrir o julgamento do nazista Adolf Eichmann para a The New Yorker. Ela viaja até Israel, e na volta escreve todas as suas impressões e o que aconteceu, e a revista separa tudo em 5 artigos. Só que aí começa o verdadeiro drama de Hannah: Ela mostra nos artigos que nem todos que praticaram os crimes de guerra eram monstros, e relata também o envolvimento de alguns judeus que ajudaram na matança dos seus iguais. A sociedade se volta contra ela e a New Yorker, e as críticas são tão fortes que até mesmo seus amigos mais próximos se assustam. Hannah em nenhum momento pensa em voltar atrás, mantendo sempre a mesma posição, mesmo com todo mundo contra ela.

 

 

ele pode ganhar facilmente e relatar grandes somas de dinheiro. Quando você escolhe para representar Analise e Debates - Prof. Lindener Pareto

 

fam1) Acima de tudo, o filme, assim como o livro de Hannah Arendt, tenta retratar a natureza do mal. No julgamento, Hannah percebe a banalidade do mal e uma ação técnica por parte de Adolf Eichmann. Como você entende a falta de autonomia na prática das ações de Eichmann e sua culpa no resultado de suas ações? Existiria uma ação técnica desvinculada de valores morais?

 

2) Em um momento do filme, Eichmann aparece em uma jaula. Essa atitude seria aceitável, mesmo sendo ele culpado daquelas ações?

 

3) O julgamento é recheado de apelo à emoção. A fim de condenar as atrocidades praticadas por Eichmann, isso seria válido?

 

4) Quem, no final das contas, foi julgado? Adolf Eichmann ou a História?

 

5) Uma das característica marcantes do nazismo era sua capacidade de desumanizar. Eichmann merecia o mesmo tratamento que ele impôs àqueles que conduzia à morte?

 

6) Hannah acaba travando uma luta pessoal ao tentar publicar suas anotações. Em sua fala final na universidade, fica clara que sua análise está para além do julgamento em si. Nesse sentido, a verdade valeria à pena?

 

 

 Textos para leitura

 

Atualidade brutal de Hanna Arendt

 

Hanna Arendt I

 

Hanna Arendt II

 

Hanna Arendt III

 

 

 

 

 

 DIREITO E MEIO AMBIENTE –

 

  1. Filme -A QUALQUER PREÇO, EUA,StefenZaillian, 1998, 1h55

 

Jan Schlittman (John Travolta) é um advogado que, junto com seus sócios, não procura vencer causas mas sim entrar em lucrativos acordos financeiros. Mas tudo muda quando ele concorda em representar oito famílias cujas crianças morreram em virtude de duas empresas terem despejado produtos tóxicos na água que abastece Woburn, Massachusetts. O caso se prolonga, fazendo a firma ficar em sérias dificuldades financeiras, tanto que os sócios de Schlittman o abandonam enquanto ele marcha para o suicídio financeiro e profissionalné

 

 

 

  1. umQuem são os legitimados para o ajuizamento de Ação Pública no Brasil? E nos Estados Unidos?
    • É possível, conforme -o interesse coletivo envolvido, deixar à critério das cortes (Juízos) quando é possível um dado legitimado ou outro legitimado? Como é no Brasil e como é nos Estados Unidos? O filme, em algum momento, aborda sobre isso?
    • O que é uma citizensuit? Um cidadão pode ajuizar uma ação civil pública, seja no processo coletivo nacional, seja norte americano, para a tutela do meio ambiente?

 

  1. Houve, no filme, uma primeira audiência, antes de prosseguir a ação. É a denominada fase “justiciability”. O que significa isso?
  2. O que é punitivedamages? É acolhido no sistema brasileiro?
  3. É possível fixar uma indenização a ser paga por um fabricante, na qual parte do valor seja destinado, não às vítimas mas para alguma entidade? E no Brasil? Isso é possível?
  4. Como as empresas avaliam seus riscos para fins de cumprimento dos contratos?

 

  1. FILME OS 33, Patricia Riggen, Chile, EUA, Colombia 2015

O que sabemos da história dos 33 mineiros que ficaram presos numa mina do Chile foi o que vimos nos noticiários da época, mas não sabemos como foi para os mineiros viver lá em baixo durante todo aquele tempo, saber em que eles pensavam e o que faziam. Com esse filme tudo isso é contado de maneira fiel à história real, ao mesmo tempo em que não deixa de ser emocionante.

 

Analise e Debates –Prof. Claudio Franzolin

 

 

Textos para leitura

 

 

A action civil

 

A qualquer preço

 

Comentarios sobre A qualquer preço

 

Direito e Meio Ambiente I

 

Direito e Meio Ambiente II

 

 

DIREITO  E MORAL

 

 Filme - RELATOS SELVAGENS, Argentina, Damian Szifron, 2014, 2h2 min

 

Diante de uma realidade crua e imprevisível, os personagens deste filme caminham sobre a linha tênue que separa a civilização da barbárie. Uma.traição amorosa, o retorno do passado, uma tragédia ou mesmo a violência de um pequeno detalhe cotidiano são capazes de empurrar estes personagens para um lugar fora de controle.

 

 

Analise e Debates - Prof. Pe. Paulo Sergio

 

Textos para leitura

 

 

Relatos Selvagens

 

 

 

DIREITO E GÊNERO –

 

  1. Filme - A GAROTA DINAMARQUESA, EUA, Tom Hooper, 2016

É uma história corajosa, de um homem casado, o pintor Einar Wegener (Redmayne), que tem despertado nele uma mulher adormecida pela sua esposa a também pintora Gerda Wegener (Alicia Vikander). O que começou apenas como uma brincadeira, ao posar para sua esposa semi vestido com roupas femininas, mostrou ser sua essência. Uma mulher presa num corpo masculino. A liberdade vem quando ele se submete a cirurgia de mudança de sexo, uma das primeiras da história.

 

 

Textos para leitura

 

A Garota Dinamarquesa I

 

A Garota Dinamarquesa II

 

 

 

  1. PHILOMENA, Stefhem TRears, Reino Unido, França, EUA, 2o14

Irlanda, 1952. Philomena Lee (Judi Dench) é uma jovem que tem um filho recém-nascido quando é mandada para um convento. Sem poder levar a criança, ela o dá para adoção. A criança é adotada por um casal americano e some no mundo. Após sair do convento, Philomena começa uma busca pelo seu filho, junto com a ajuda de Martin Sixsmith (Steve Coogan), um jornalista de temperamento forte. Ao viajar para os Estados Unidos, eles descobrem informações incríveis sobre a vida do filho de Philomena e criam um intenso laço de afetividade entre os dois.

 

Textos para leitura

 

Philomena

 

Analise e Debates  Profa. Janaina Gomes

 

O que a violência de gênero, também conhecida como violência doméstica, tem realmente de diferente de qualquer outra espécie de violência contra o Ser Humano (seja lesão corporal ou homicídio, culposo, doloso, tentado ou consumado)?

  1. Quais os condicionantes desta espécie de violência?
  2. O desenho legislativo da proteção penal parte de contextos históricos ou biológicos?
  3. Quem é(são) a(s) vítima(s) no caso da violência de gênero?
  4. Refletindo sobre as circunstâncias da violência de gênero no Brasil (e no mundo) quais os desafios que a estrutura legal tem para efetivar seus objetivos à luz das regras jurídicas existentes?
  5. O Direito é capaz de colocar fim a violência de gênero, mediante uma regulamentação exaustiva?

 

 

Textos para leitura

 

Philomena

 

 

 

DIREITO E RACISMO

 

Filme – EU NÃO SOU SEU NEGRO, Raoul Peck, EUA,2016

 

O escritor James Baldwin escreveu uma carta para o seu agente sobre o seu mais recente projeto: terminar o livro Remember This House, que relata a vida e morte de alguns dos amigos do escritor, como Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King Junior. Com sua morte, em 1987, o manuscrito inacabado foi confiado ao diretor Raoul Peck.

 

 

Textos para leitura

 

Racismo, trabalho e estrutura de poder

 

Eu não sou seu negro

 

 

 

DIREITO E SAÚDE

 

Filme SICKO- SOS SAUDE, Michael Moore, EUA.

 

Um painel do deficiente sistema de saúde americano. A partir do perfil de cidadãos comuns, somos levados a entender como milhões de vidas são destruídas por um sistema que, no fim das contas, só beneficia a poucos endinheirados. Ali vale a lógica de que, se você quer permanecer saudável nos Estados Unidos, é bom não ficar doente. E, depois de examinar como o país chegou a esse estado, o filme visita uma série de países com sistema de saúde público e eficiente, como Cuba e Canadá.

 

Analise e Debates - Prof. Josué Mastrodi

  1. O direito costuma identificar seguro como algo semelhante ao jogo ou à aposta. A banca do cassino tem o direito de impedir o jogador de continuar a jogar quando está ganhando todas? A seguradora do plano de saúde tem o direito de cancelar o contrato quando ele começa a dar sinais de prejuízo?
  2. Saúde é mercadoria?
  3. Lá pelo minuto 40, o documentário afirma que congressistas foram "comprados" pela indústria da saúde para evitar a instalação de sistema de saúde governamental durante o governo Clinton. Que congressistas foram "comprados" durante o governo Bush para aprovar "modernização" do sistema de saúde privado. Repararam que no congresso brasileiro há vários deputados/senadores que defendem a indústria dos planos de saúde por aqui?

 

Textos para leitura

 

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/SAUDE/497145-GESTORES-CRITICAM-PEC-QUE-OBRIGA-CONCESSAO-DE-PLANO-DE-SAUDE-A-TRABALHADOR.html

http://oglobo.globo.com/economia/defesa-do-consumidor/dilma-veta-anistia-de-multa-operadoras-de-planos-de-saude-12477477

http://www.ebc.com.br/noticias/2015/07/governo-quer-derrubar-pec-que-obriga-patrao-pagar-plano-de-saude-empregado

http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2014/04/15/senado-aprova-perdao-de-r-2-bilhoes-a-planos-de-saude.htm

http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2015/05/1634009-leandro-farias-eduardo-cunha-contra-a-saude.shtml]

O interesse das empresas, qualquer que seja seu objeto, é o lucro, não a entrega do produto. Isso é capitalismo. Se eu oferecer dinheiro para alguém aceitar minha posição ideológica sobre qualquer coisa, isso é suborno. Se eu oferecer dinheiro para um congressista, isso é "lobby"?

  1. Sobre os temas das questões 2 e 3: existe ética nos negócios?
  2. Canadá possui um sistema de saúde público, que não é lá essas coisas (veja, por exemplo, o filme As Invasões Bárbaras). Brasil possui o SUS, que também não é a 7a maravilha do mundo. Mas funciona de modo eficiente para a grande maioria dos brasileiros. Bom, a mídia faz bem seu papel em favor da indústria de saúde dos EUA. No minuto 45', o documentário apresenta uma série de reportagens em que "cidadãos de bem" dos EUA dizem que no Canadá o sistema de saúde é público, mas não funciona. Na verdade, a indústria de saúde odeia concorrência. Se houvesse sistema de saúde por lá --como o atual governo Obama quer instalar, e está sendo chamado de comunista por isso--, a indústria de saúde perderia milhões de clientes (e de dólares). A quem interessa sucatear o SUS e buscar sua substituição por um sistema privado de saúde?

6, Ainda que o sistema de saúde privado possua agências reguladoras, isto é, autarquias estatais de fiscalização do mercado, exatamente como ocorre nos EUA, essa regulação serve exatamente para quê? Serve para garantir a satisfação dos consumidores?

  1. Notaram que, nos EUA, há pouquíssimos casos de vitória judicial de cidadãos/consumidores contra seus planos de saúde? No Brasil é diferente?
  2. O filme foi rodado em 2007, antes, portanto, do fim do embargo estadounidenseà Cuba. Sabem quantos norte-americanos passaram a fazer turismo em Cuba apenas para se tratarem com médicos cubanos desde a abertura? [http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/the-new-york-times/2015/02/23/saude-em-cuba-pode-atrair-turistas-norte-americanos.htm

 

DIREITO E EDUCAÇÃO

FILME A LÍNGUA DAS MARIPOSAS,  José Luiz Cuerda, Espanha, 1999

Espanha, 1935. Aos sete anos, o garoto Moncho (Manuel Lozano) passa por um período de pequenas e importantes descobertas na escola e na vida. Cheio de sabedoria, seu velho professor Don Gregorio (o veterano Fernando Fernán-Gomes, ator em quase 200 filmes e escritor e diretor de dezenas de outros) é um verdadeiro ídolo para o menino. Porém, a Guerra Civil chega espalhando terror, ódio e desconfiança entre os próprios espanhóis. O melhor amigo de hoje pode ser o inimigo mortal de amanhã e tudo o que parecia firme e sólido pode desmoronar a qualquer momento.

 

Textos para leitura

A Língua das Mariposas I

A Língua das Mariposas II

 

DIREITO E PSICOLOGIA –

 

Filme –Tempo de Paz, Brasil, 2009 –Daniel Filho  1h20

 

18 de abril de 1945. Durante anos centenas de pessoas foram torturadas pelo regime de Getúlio Vargas mas, com a pressão externa decorrente do fim da 2ª Guerra Mundial, vários presos políticos ganharam a liberdade. Segismundo (Tony Ramos) é um ex-oficial da polícia política de Vargas que agora teme que suas vítimas resolvam se vingar. Ele trabalha como chefe da seção de imigração na Alfândega do Rio de Janeiro, tendo por função evitar a entrada de nazistas. Em uma averiguação habitual, ele interroga Clausewitz (Dan Stulbach), um ex-ator polonês que, por recitar Carlos Drummond de Andrade, lhe foi enviado por um subalterno. Para convencer que não é nazista, Clausewitz precisa usar todo o seu talento como ator.

 

Analise e Debates - Profa. Maria de Fatima

 

 

DIREITO E QUESTÃO INDÍGENA

 

Filme – INDIO CIDADÃO?

Debate – Prof.Pedro Pulzatto

A luta das nações índigenas para conquistar - e manter - os direitos garantidos pela lei. Contando com depoimentos de ativistas e importantes lideranças, o documentário aborda momentos marcantes desta jornada, que segue até hoje, como a ocupação da Câmara dos Deputados em 2013 e a Mobilização Nacional em Defesa dos Direitos Constitucionais, ameaçados pelo próprio Congresso Nacional. Uma batalha para impedir que continue o extermínio de lideranças e grupos indígenas, uma batalha para garantir o direito do ser humano.

 

Textos para leitura

 

Direito Humanos – Povos Indígenas

 

Exclusão étnica

 

 

 

AVALIAÇÃO

 

A avaliação será feita após a exibição de cada filme com debates. Serão disponibilizadostambém aos alunos textos sobre os filmes apresentados.

 

CRITERIOS DE AVALIAÇÃO:

 

A avaliação será feita após a exibição de cada filme com debates. Serão disponibilizados também aos alunos textos sobre os filmes apresentados.

 

 

ESTRATEGIAS

 

A analise de cada filme será feita com a participação de um professor convidado da Faculdade de Direito

 

CARGA HORARIA TOTAL

 

34 horas-aula

 

 

PRE-REQUISITOS

 

Não há

 

 

 

BIBLIOGRAFIA BASICA

 

LACERDA, Gabriel. O Direito no Cinema, Rio, Ed.FGV,2007

ALVES, Giovanni, O cinema como experiênciacritica

www.telacritica.org

 

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

 

LUZ, Marcia, Lições que a vida ensina e a arte encena. Campinas, Ed. Atomo,2009, 3ªedição

 

MACHADO, João Luis,  Na Sala de Aula com a Sétima Arte – Aprendendo com o Cinema, SP. Ed. Intersubjetiva, 2003

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(19) 99259-8276

arnaldolemos@uol.com.br

Projeto Web